Há 30 anos, a VIDA nascia de um gesto de amor para com o Próximo, de um apelo de Sua Santidade João Paulo II para partir em missão para África. Uma jovem ouviu-O e partiu. Regressou com um sonho maior que o seu coração, um sonho que se tornou uma obra na qual os que participam dedicam a sua vida a mudar outras vidas.

Eu cheguei à VIDA em 1997, 5 anos depois, mas aqui encontrei o meu lugar, a minha missão no mundo dos “invisíveis”. Desde cedo apercebi-me que não mudávamos o mundo, mas a forma de estarmos e ouvirmos os outros, de entrega e partilha mútua, permitia uma mudança maior. A sua consciência de Pessoa, de ser livre faria toda a diferença no papel que desempenhariam na sua vida a partir daquele momento. É precisamente esta a essência de cada projeto da VIDA: a Pessoa e sua mudança no mundo e para o mundo.

30 anos de um caminho conjunto de partilha, de dedicação, de amor, de amizade e de respeito que me realiza todos e cada dia da minha vida. Trabalhamos há 30 anos com os mais vulneráveis dos mais vulneráveis, com os “invisíveis”, com aqueles que desejam fazer a diferença nas suas vidas e nas comunidades onde nasceram e vivem até hoje. É preciso continuar a “trazer estas pessoas para o mundo”, dar-lhes voz, dar-lhes o poder de decidir enquanto cidadãos do mundo e de participar ativamente nas suas comunidades.

Parabéns à VIDA, a todas as pessoas que connosco têm trabalhado ao longo destes 30 anos – na Guiné-Bissau, em Moçambique e em Portugal. Sem vocês não tinha sido possível. Continuemos por mais 30 anos “a semear, mesmo naquele pedaço de terra mais arenoso, na certeza de que algo há-de florir.”

Ana Gaspar Nunes

Diretora Executiva

Sou Olálio Neves de Trindade, representante da ONG VIDA na Guiné-Bissau. Já faz muitos anos que trabalho nessa organização. A minha grande satisfação e gratidão por fazer parte dessa família como um colaborador é um privilégio. O maior ativo de uma organização são os seus colaboradores. Essa máxima se comprova no dia a dia, em desenvolver trabalhos que visam atingir metas traçadas pelo objeto de cada projeto. Os profissionais da VIDA são de alto desempenho que encaram cada projeto como um grande desafio corporativo de poderem trabalhar em equipa. Então, para mim, trabalhar na ONG VIDA é trabalhar numa equipa de alta performance que tem competências e habilidades que geram resultados aliados aos objetivos e metas definidas pela organização, além dos inúmeros benefícios a longo prazo. Para atingi-los, a meu ver líderes e gestores estão sempre orientados por dados, boas estratégias de desenvolvimento profissional e ferramentas para mensurar o desempenho individual de cada um.

Mas, como dar conta desse projeto na prática? Já são 30 anos de existência dessa organização, com isso quero mencionar aqui o cuidado e o tempo, que são os pilares centrais da existência de uma organização, quando essa se importa na formação de uma equipe de alta performance, e devem ser investidos na escolha de cada componente do grupo. A VIDA dá esse suporte e estruturação da equipa, e tem as medidas para manter essa estabilidade. Assim me sinto trabalhando na ONG VIDA na Guiné-Bissau.

 

Como o nome fala por si mesmo: “VIDA”. É cuidado, zelo, é ver as necessidades mais urgentes, dar possibilidades, contornar e solucionar problemas. É fazer a vida valer a pena.

Olálio Trindade

Representante VIDA na Guiné-Bissau

Para mim, tem sido um privilégio trabalhar na VIDA durante os últimos anos. Uma organização consolidada e focada no compromisso que estabelece com as pessoas e instituições parceiras. Uma organização que se preocupa em inovar, muitas vezes nos percursos mais difíceis, para beneficiar as famílias rurais isoladas. Esse esforço traz-lhe reconhecimento em Moçambique.

 A VIDA é isso: são (as) pessoas e no terreno caminhamos juntos para encontrar e testar soluções que beneficiem as pessoas e que contribuam para futuros mais prósperos.

Uma organização que se preocupa em inovar, muitas vezes nos percursos mais difíceis, para beneficiar as famílias rurais isoladas.

Sara Sangareau

Representante VIDA em Moçambique