Formação promovida no âmbito do projeto “Ur-GENTE – Centro de Artes Cénicas Transdisciplinar de Bissau” apoiado pelo PROCULTURA, financiado pela União Europeia, gerido e cofinanciado pelo Camões, I.P. 
Projeto implementado pela VIDA

A arte não explica, implica.

Sophia de Mello Breyner

Este curso propõe uma aproximação a um discurso e a uma praxis sustentada, estrutura, informada e, por isso, com maior possibilidade de inscrição nos territórios e suas dinâmicas. Da interação das noções de Arte, Participação e Comunidades surge um território de criação com forte potencial e com características muito próprias. A proposta de curso passa pela introdução e integração de diferentes perspetivas perante as múltiplas formas que revelam a intersecção entre estes três campos. Destacam-se as dimensões artística, participativa, comunitária e política destas práticas numa visão articulada e complementar.

O curso tem como base experiências e pensamento desenvolvido nos últimos anos envolvendo diferentes zonas territoriais de uma cidade e/ou área rural envolvendo escolas, prisões, centros comunitários e diversas populações (pessoas sem-abrigo, idosos, reclusos, desempregados, crianças e jovens em risco, moradores de bairros de realojamento, pessoas surdas, etc.) em diferentes lugares do Mundo, com destaque para as experiências da Europa do Sul e da América Latina. Perante a fragilidade das democracias atuais e da nossa vivência coletiva, este curso propõe-se abordar a hibridez desta área recorrendo dos contributos da arte, participação, educação e política. Serão discutidos elementos fundamentais destas práticas, assim como as suas potencialidades/fragilidades e ligação à participação cívica e política.

Este curso constitui-se como uma formação de profissionais, estudantes e voluntários com interesse no desenvolvimento na área da criação artística, das competências pedagógicas e humanas e da capacidade de pesquisa, reflexão crítica e ação sobre a realidade.

Quando?

9 a 13 de maio de 2022

  • 9 de maio | 14h – 18h
  • 10 a 12 de maio | 8h30 – 15h30
  • 13 de maio | 14h – 20h
Para quem?
  • Preferência por pessoas com formação e/ou gosto pela área das artes (teatro, música, literatura, artes plásticas, cinema), educação, saúde e/ou ciências sociais
  • Disponibilidade e compromisso para frequentar o ciclo formativo integral em Práticas Artísticas Comunitárias, que decorrerá de maio de 2022 a maio de 2024
  • Disponibilidade e compromisso para frequentar o ciclo formativo integral em Práticas Artísticas Comunitárias, que decorrerá de maio de 2022 a maio de 2024
  • Pessoas que queiram desenvolver competências profissionalizantes na área das Práticas Artísticas Comunitárias
Objetivos
  • Compreender e experimentar o conceito de Práticas Artísticas participativas e Comunitárias, em contexto;
  • Compreender o conceito de cultura, participação, comunidade e democratização e democracia cultural;
  • Prática Artísticas Comunitárias: do activismo ao artivismo;
  • Potenciar o trabalho em rede entre diferentes áreas (educação, cultura, saúde, ação social) e diferentes agentes (profissionais, voluntários, mediadores, comunidade em geral) no contextos das práticas artísticas comunitárias;
  • Fundamentar a relevância do desenvolvimento de projetos artísticos em contextos comunitários diversos;
  • Promover e definir boas práticas profissionais (estéticas e éticas) neste âmbito de ação;
  • Fomentar a experimentação de linguagens artísticas direcionadas a contextos diversos, aprofundando o papel dos profissionais, voluntários e mediadores;
  • Estimular a capacidade de análise crítica das dinâmicas comunitárias como ponto de partida para o desenho e implementação de projetos artísticos.
Roteiro das Sessões

Sessão 1. Apresentação e discussão do plano de trabalho; Noções e princípios de cultura, arte, participação comunidade e práticas artísticas participativas e comunitárias; Perspetivas históricas neste domínio; Jogos teatrais para a construção de grupo.

Sessão 2. A ética e a estética nas práticas artísticas participativas e comunitárias; O artista, o professor/formador, os líderes locais e a comunidade: algumas considerações; Desenvolvimento de improvisações em torno das realidades locais.

Sessão 3. Apresentação, visualização e análise crítica de de experiências de práticas artísticas participativas e comunitárias (Dança, Música, Teatro, Performance e Intervenção em Espaço Público); Construção da partitura para a performance.

Sessão 4. Componentes dos projetos; Análise crítica de resultados de estudos e investigação nesta área; Ensaio da performance.

Sessão 5. Reflexão e integração final. Apresentação pública.

Metodologia de avaliação
  • Assiduidade em 100% das sessões
  • Participação
  • Criatividade
  • Capacidade de trabalhar em grupo
Inscrições
  • Pode inscrever-se no seguinte link: https://bit.ly/37IXuv8
  • Ou enviar um email para a coordenação do projeto “Ur-GENTE”: carolina.rodrigues.vida.gb@gmail.com | (+245) 956 269 064

Prazo para inscrições: 3 maio

Formador: Hugo Cruz

Desenvolve o seu trabalho no espaço da criação artística e participação cívica e política em contextos diversos (escolas, prisões, bairros sociais, IPSS, casas do povo, entre outros). Cofundador da PELE_espaço de contacto social e cultural, Núcleo do Teatro do Oprimido do Porto e da Nómada Art & Public Space. Dirigiu diversos espetáculos apresentados por exemplo no âmbito do Festival Imaginarius, FITEI, Manobras, Capital Europeia da Cultura 2012, TNSJ, Casa da Música, TNDMII, entre outros. Investigador no CIIE – Universidade do Porto e CHAIA – Universidade de Évora, e professor convidado na ESMAE – Porto. Diretor artístico do MEXE_Encontro Internacional de Arte e Comunidade, Mira | Artes Performativas e da Mostra de Criação Contemporânea Portuguesa (Brasil). A sua atividade desenvolve-se entre Portugal, Brasil e Espanha nos campos da “criação artística e espaço público”, “práticas artísticas comunitárias”, e “arte e política”. Leciona com frequência em diversas instituições nacionais e internacionais. Entre várias publicações, coordenou o livro “Arte e Comunidade” editado pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Para saber mais sobre Hugo Cruz: https://artandparticipation.com/