Consignação do IRS

Ao consignar 0,5% do seu IRS à ONGD VIDA, está a apoiar o nosso trabalho, sem quaisquer custos.

“Plantar Vida na Guiné-Bissau”

A Rádio Renascença viajou até à Guiné-Bissau para conhecer a realidade dos lugares e das comunidades com que a VIDA trabalha todos os dias. 

Continuar a missão no contexto Covid-19

Na Guiné-Bissau e em Moçambique, continuamos a nossa missão e presença junto das comunidades mais vulneráveis, mas estamos a adequar a nossa intervenção ao contexto pandémico da Covid-19.

Impacto

Conheça o impacto do nosso trabalho junto das comunidades na Guiné-Bissau e em Moçambique. 

Projetos atuais

Mindjeris di Amanhã: Fortalecimento da atividade produtiva e comercial das horticultoras-vendedoras da região de Cacheu

Este projeto pretende aumentar da resiliência das mulheres horticultoras-vendedoras através da otimização das atividades produtivas e comerciais nos mercados do Canchungo e Bula. As atividades propostas respondem, por um lado, à urgência sanitária (intervindo em dois mercados com enorme potencial de transmissão comunitária Covid-19) e, por outro, à resiliência das famílias a médio prazo, contibuindo para reduzir o impacto da pandemia nas áreas urbanas e periurbanas de Canchungo.

Reforço dos serviços de nutrição e capacidade de gestão integrada dos centros saúde dos setores e S. Domingos e Bigene - região de Cacheu

Reforço da capacidade institucional e operacional da direção de Serviço da Saúde Comunitária

A VIDA tem vindo, desde 2011, a consolidar experiência na operacionalização da Saúde Comunitária na Guiné-Bissau. Ao longo da parceria com a equipa da direção do Serviço de Saúde Comunitária, em Bissau, tornou-se evidente a necessidade de capacitação técnica e institucional, mediante as dificuldades reconhecidas por esta equipa. Este projeto visa capacitar a equipa ao nível da coordenação, seguimento e avaliação para assumir a liderança total na implementação do Plano Estratégico de Saúde Comunitária 2016-2020.

O nosso futuro é hoje: Fortalecimento da resiliência alimentar e ambiental das famílias vulneráveis de Matutuíne

Somos Moçambique

A passagem do Ciclone Idai por Moçambique em março de 2019 deixou um rasto de destruição, afetando severamente as províncias de Sofala, Zambézia e Manica. Três organizações portuguesas – VIDA, FGS e FEC – com experiência e conhecimento de Moçambique, concertaram-se para implementar uma estratégia integrada para apoiar o regresso à normalidade e o reassentamento das famílias afetadas na cidade da Beira. O projeto Somos Moçambique II surge na continuidade da intervenção da Fase I, com o objetivo de contribuir para a redução da vulnerabilidade da população da Beira face a desastres naturais, reforçando a sua capacidade de resiliência.

1Planet4All

O projeto 1Planet4All – Empowering youth, living EU values, tackling climate change resulta de uma aliança de 14 organizações não-governamentais de toda a Europa que trabalham em alguns dos países mais frágeis do mundo afetados pelas alterações climáticas. Partindo desta vasta experiência, pretendemos promover a consciencialização e o entendimento crítico dos jovens europeus de 12 estados-membros da União Europeia em relação às alterações climáticas enquanto ameaça ao alcance dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, e inspirar o seu envolvimento ativo em ações concretas.

Call Center COVID-19: UNDP Guinea Bissau early response to the COVID-19 crisis

Este Centro de Contacto para a Covid-19 tem como objetivo identificar e fazer o seguimento dos casos suspeitos o país, bem como informar e esclarecer a população acerca da pandemia de Covid-19, fornecendo um serviço de proximidade acessível à população em todo o país, de uma forma simples, gratuita e especializada e sem a necessidade de deslocação.

1000 dias de boa alimentação

A VIDA e a Helpo, com vasta experiência de trabalho em Moçambique, são parceiras neste projeto que pretende melhorar o estado nutricional durante os primeiros 1000 dias de vida da criança, através da produção dos alimentos locais e da sua disponibilidade anual utilizando técnicas de conservação, transformação e armazenamento, com medidas de combate à pandemia Covid-19, no distrito da Ilha de Moçambique, província de Nampula.

Principais áreas de intervenção

%

Saúde

%

Desenvolvimento Rural

%

Educação

Testemunhos

Em todos os projectos, os homens e mulheres guineenses são actores do seu presente e do seu futuro e na equipa, curta mas muito dedicada e profissional da VIDA, encontram parceiros que os respeitam e envolvem. [mais]

Paula Borges

Jornalista, RDP África

É em conjunto com a população alvo do seu trabalho que decidem o que é premente, o que faz falta, o que pode ser melhorado, sempre a pensar no bem da comunidade. [mais

João Cunha

Jornalista, Rádio Renascença

Como Participar

Doações Individuais

Empresas

Escolas

Destaques

Ernst Götsch visita Centro de Desenvolvimento Comunitário de Djabula, em Moçambique

Dia 24 de março, recebemos a visita de Ernst Götsch no Centro de Desenvolvimento Comunitário de Djabula, em Moçambique. Ernst Götsch é um agricultor e investigador suíço, criador da Agricultura Sintrópica, uma agricultura que concilia a produção agrícola e a recuperação de áreas degradadas, com base em processos que mimetizam a regeneração e os processos sintrópicos da vida no Planeta.

Inquéritos às famílias para caracterização setorial do bairro Manga Mascarenhas, na Beira

No âmbito do projeto “Somos Moçambique”, entre 1 e 18 de março, decorreu a aplicação dos inquéritos para a caracterização setorial do Bairro da Manga Mascarenhas, na Beira, com o objetivo de efetuar o diagnóstico das condições socioeconómicas das famílias do bairro para que as atividades possam dar resposta às maiores necessidades. O projeto “Somos Moçambique” é implementado pela FEC, FGS e VIDA.

FCULresta: nasceu uma minifloresta na cidade de Lisboa

No âmbito do projeto “1Planet4All”, nasceu uma minifloresta densa e biodiversa em pleno centro de Lisboa, situada no campus da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa. Ao longo de uma semana, 150 jovens envolveram-se na plantação desta FCULresta, transformando um relvado num espaço de abundância – mais de 600 espécies de plantas autóctones -, de alto impacto e com baixa pegada ecológica.

Iniciativas Locais para Transformações Globais